Mixtape #160

Por Fabricio C. Boppré em 30/01/2015

Mixtape #160 by Fabricio C. Boppré on Grooveshark

A exemplo da semana anterior, quando tirei o atraso e escutei finalmente os discos do Pink Floyd e do Mark Lanegan lançados no ano passado, também essa semana eu ouvi muito embevecido um disco de 2014, outro que talvez até entrasse na minha lista de preferidos do ano, se eu tivesse escutado em tempo: Lullaby and the Ceaseless Roar, do Robert Plant. Daí que eu queria colocar um som dele na fitinha de hoje, só que o álbum, infelizmente, ainda não está presente na discoteca do Grooveshark… Mas tudo bem: andei ouvindo também, uns dias atrás, o Walking Into Clarksdale, do Plant junto com seu velho parceiro Jimmy Page, e catei para esta mixtape uma faixa desse outro belo disco, que eu digo sem receios que é melhor do que os últimos do Led Zeppelin. E no fim da mixtape tem mais uma sessãozinha nostálgica: ok, eu sei que é A-ha, eu sei que é a quintessência dos anos 80, eu sei que era daquelas bandas cujo público era composto 99% de meninas que ficavam gritando durante todo o show e esticando os braços em direção ao palco, mas eu continuo irredutível nesta minha excêntrica opinião de que esses caras tinham sim algum mérito artístico, algum interesse outro para além da vida de pop-stars adolescentes… Não seria essa Stay on These Roads uma prova inquestionável disso? Ou eu estou pirando? Eu sempre tomo esses cuidados, como se estivesse pisando em ovos, ao colocar aqui esses sons da minha infância, sempre demarcando de forma muito precavida de que se trata de uma “sessão nostálgica”, mas do A-ha, que faz sua terceira aparição aqui às sextas, eu devo confessar que gosto muito. Mas gosto muito também de vocês amigos que ouvem essas mixtapes, e por isso tomo o cuidado de colocá-los sempre na última posição, para que vocês possam, se preferirem, fechar imediatamente a janelinha do browser e assim não perder mais muita coisa…

Categoria(s) associada(s): Mixtapes e streamings

Créditos da imagem: Copiada daqui.



1 comentário:

  • Sid Costa em 05/02/2015

    Acho que ninguém gosta do Presence, só eu e meu irmão. O Walk Into Clarksdale é muito bom mesmo, mantém o nível da discografia. Só queria que o baterista tivesse sido o Puffy do Faith no More. Blue Train é linda.

Não é mais possível adicionar comentários para este post.