Mixtape #44

Por Fabricio C. Boppré em 12/10/2012

Mixtape #44 by Fabricio C. Boppré on Grooveshark

Tem aquele texto do Nick Hornby em que ele começa afirmando não ser muito fã do Bob Dylan, apesar de possuir, como qualquer apaixonado por música que se preze, edições de Blonde on Blonde e Blood on the Tracks em sua coleção. O texto continua com Hornby dizendo que tem também a trilha-sonora do documentário do Scorcese, afinal, o filme é ótimo. E daí ele lembra que tem também um outro álbum lançado pelo Dylan nos anos 80 porque tem nele uma música que ele gosta bastante. E ainda, um outro bootleg ao vivo que foi indicação de um amigo. E assim ele prossegue até que, no fim das contas, ele conclui que possui mais de 20 discos do Bob Dylan em suas estantes e que este é, de fato, o artista que mais ocupa espaço em sua coleção. Apesar de ele não ser exatamente um fã do bardo americano.

Acho que a relação de muita gente com Dylan segue padrões similares. A minha também é assim: não me considero um fã dedicado, apesar de ouvir bastante. Mas, ao contrário do Hornby, acho que eu consigo identificar um certa lógica no meu gosto pela obra dylanesca: me atraem bastante as canções mais narrativas e que carregam alguma tensão, e menos as convencionalmente mais musicais e melodiosas (evidentemente, me interessa mais a música como um todo do que unicamente as letras). São fronteiras difíceis de se discernir na obra do Dylan, principalmente nos clássicos discos mais antigos, mas quando a coisa pende levemente para um lado ou para o outro, é quando define-se o meu gosto. Em outras palavras: não me interessam I Want You, Knockin’ on Heaven’s Door e Like a Rolling Stone, mas gosto muito de Masters of War, Buckets of Rain e Shelter from the Storm. A faixa que abre esta fitinha, Seven Curses, está também entre minhas preferidas, e pode ser encontrada no The Bootleg Series Vol. 1-3 - Rare and Unreleased. Aliás, outra preferência: os bootlegs que trazem Dylan sozinho no violão. Alguns são fabulosos.

A fitinha dá um salto para os anos 90 com Paul Westerberg e Archers of Loaf. Depois o caldo engrossa com Hüsker Dü ao vivo e Converge — aliás, tem disco novo do Converge na praça, e é um discaço, mas essa que você ouve aqui (num volume um pouco mais alto do que o resto, perdoem-me, não achei versão melhor) é do meu preferido Axe to Fall. Pra fechar com uma nota menos cafeínada e mais contemplativa, uma do “This Is Our Punk-Rock,” Thee Rusted Satellites Gather + Sing,, do A Silver Mt. Zion, que é um disco bastante bonito, apesar de eu não conseguir lidar direito com um título que termina com uma vírgula.


Bônus: que negócio magnífico este novo disco do Godspeed You! Black Emperor.


Categoria(s) associada(s): Mixtapes e streamings

Créditos da imagem: Copiada daqui.



Nenhum comentário.

Não é mais possível adicionar comentários para este post.