No forno: Les Savy Fav, Interpol e Thermals

Por Fabricio C. Boppré em 23/06/2010


O Interpol lança via Matador seu quarto disco, auto-intitulado, no dia 7 de setembro. Após a saída de Carlos D, a banda ganhou dois novos integrantes: David Pajo (Zwan, Slint, Papa M) para o baixo e Brandon Curtis (Secret Machines) para o teclado. A música do vídeo acima deverá estar no tracklist do novo disco. A expectativa é alta; gosto muito dos dois primeiros mas não vi a menor graça no terceiro.

No mesmo dia do Interpol sai o novo do Thermals, Personal Life. É outro que me desperta bastante curiosidade, em função da escorregada que foi o último disco, bem abaixo da crítica em comparação aos discos anteriores.

Também em setembro, no dia 14, temos o lançamento de Root for Ruin, do Les Savy Fav. Nesse eu boto muita fé, sem medo. Tracklist segue abaixo.

  1. Appetites
  2. Dirty Knails
  3. Sleepless in Silverlake
  4. Let’s Get Out of Here
  5. Lips n’ Stuff
  6. Poltergeist
  7. High and Unhinged
  8. Excess Engergies
  9. Dear Crutches
  10. Calm Down
  11. Clear Spirits

Banda(s) associada(s): Thermals, Interpol, Les Savy Fav

Categoria(s) associada(s): Notícias, Vídeos

Créditos do post: Matablog, Pitchfork, Pitchfork



5 comentários:

  • Vicente em 23/06/2010

    A amostra, Lights, me lembrou demais a abordagem do mediano disco solo do Paul Banks. Achava o baixo do Carlos D. a alma do Interpol, meio grooveado, meio sinistro. A banda já perdeu isso, se tomarmos a amostra como perfil.

    Para aumentar a responsabilidade: o disco foi produzido por ninguém mais, ninguém menos que Alan Moulder.

    Segura essa.

  • Fabricio em 24/06/2010

    Me parece que as músicas do discos foram gravadas com o Carlos D ainda no baixo.

  • Vicente em 24/06/2010

    É mesmo, acho que é isso. Putz, pior ainda. Mas vamos aguardar porque se o Interpol tiver pendurado as chuteiras, não restará nem uma mão cheia de bandas major contemporâneas de boa qualidade.

  • Fabricio Boppré em 05/07/2010

    Mas, cara, depois de ouvir duas ou três vezes, já gostei mais dessa Lights do que de qualquer coisa do disco anterior. O estilo meio “penumbra”, que antes podia ser mais pela inexperiência em estúdio do que qualquer coisa proposital, mas que de todo modo parece ter sido resgatado, me agrada bem mais do que o show de luzes e refrões triunfais e coros do Our Love to Admire. Tô com boas esperanças para este disco novo.

  • Sid Costa em 12/07/2010

    Wrecking Ball e Lighthouse já valem o 4º disco. O que não significa que seja um trabalho superior aos dois primeiros. Caiu na rede outro som do disco novo, Barricade. É bacaninha.

    Rapaz, eu preciso escutar os primeiros do Thermals, pq eu gostei muito do último disco.

Não é mais possível adicionar comentários para este post.